Carta aberta






Lembro quando não brigávamos, como éramos felizes. As horas e horas debaixo do chuveiro conversando sobre as coisas da vida, fazendo planos pra dali há 10 anos, quando você ia me arrastar para nosso casamento. Lembro-me de como brincávamos como crianças e como eu fingia estar brava quando você me fazia cosquinha. Das horas intermináveis vendo você jogar ou seu irmão.
Sempre achei que éramos mais irmãos que namorados propriamente dito. Nos entediamos como ninguém. A vida era tão simples rindo com você. Penso no quanto perdemos tempo brigando, nos exigindo algo que nunca iriamos ser. Quanto tempo perdemos? 
Essa semana me peguei pensando em nós, depois de tanto tempo. Foi 07 anos juntos, uma vida. Parece uma eternidade não é?! Cada um com sua vida encaminhada, cada um no seu canto. Quanta coisa mudou, quanta coisa aconteceu, que nem parece que só faz 03 anos que terminamos.
Você sempre me inspirou a escrever os melhores textos. Lembro do primeiro que escrevi, “Aprendi” – rsrsrs  - e logo veio o segundo e tantos outros. Como poderia ser diferente agora? 
Engraçado como as coisas são. Hoje estou solteira, tenho minha vida quase feita. Faço faculdade, teatro que sempre sonhei, tenho minha liberdade e sexo quando eu quiser. Saio e danço, volto e não tenho que prestar conta a ninguém a não ser minha sanidade. Vivi aventuras que valeram a pena, outras que não. Me apaixonei e me desapeguei. Tenho amigos e uma irmã que vale mais que qualquer um. E ainda sim, apesar disso tudo, parecer uma vida digna de uma pessoa livre e independente, não vejo mais tanta graça.
Quero me prender livremente a alguém e viver momentos únicos como já vivi um dia. Quero ser de alguém como um dia fui sua. Não que minha vida seja ruim, nada disso, gosto de estar sempre pronta para as maiores loucuras experiências, mas acredito que chega um ponto em nossa vida que a gente cansa.
Talvez por carência ou amor, talvez por ter encontrado alguém que poderia, mas não foi como você, ainda viva a procura de alguém que tenha essa pureza e amor. Alguém com quem eu possa rir e passar horas debaixo do chuveiro conversando. Alguém que me faça cócegas e me diga que vai ficar tudo bem. Talvez realmente tenha cansado dessa vida de solteira.... ou seja apenas tédio.
Na verdade não sei o porquê estou escrevendo tudo isso e divagando sobre nosso relacionamento, e sobre como pensar em você me fez bem e me ajudou a encontrar um equilíbrio mesmo depois de tanto tempo. Acho que agora sim, me sinto em paz e totalmente plena pela gente. Por tudo o que passamos. Precisava dessa reflexão eu diria, porque não foi de todo ruim, foi?!
Portanto obrigada por ter feito parte da minha vida.

Com carinho, Alice.

e-mail: daricanedo.c@outlook.com  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

http://www.tertuliaonline.com.br/
http://www.revistapacheco.com/p/contato_507.html

Destaques

A primeira vez em que eu quase morri

Uma experiência de quase morte não é algo muito fácil de esquecer, sobretudo quando se tem 16 anos. Nessa época, eu era um rapaz latino-americano, franzino e com algumas espinhas na testa. É verdade, era mais do que eu desejava, se é que alguém deseja ter espinhas. Eu era o típico adolescente: cheio de sonhos, impulsivo e medroso. Mais medroso que impulsivo, aliás.

Sobre o apego e as lembranças que escapam lentamente

O primeiro bem que meu pai me deixou, meio sem querer, foi seu aparelho de telefone celular. Não é um smartphone, não acessa a internet. A câmera fotográfica integrada tem parcos megapixels. As pessoas riem do aparelho quando são apresentadas a ele, sem saber que ali dentro, naquela caixa preta, está guardada minha pequena herança particular.

"Uma Aventura Perigosa"

Max de Castro é um funcionário público insatisfeito com trabalho e com problemas no casamento. Após uma crise de estresse em pleno expediente, incentivado por um psicanalista em um programa de entrevistas, escreve uma carta confessional, que deve ser escondida e destruída em 24 horas, mas a mesma desaparece, antes que ele pudesse fazê-lo. Começa então o inferno de Max, angustiado pela possibilidade de seus maiores segredos serem descobertos, ou por sua esposa, ou por sua cunhada, a jovem Sophia, por quem se sente fortemente atraído.

Cinema: Frances Ha

Em Frances Ha (2012), Frances (Greta Gerwig) é uma jovem nova-iorquina de 27 anos que não corresponde às expectativas idealistas de uma sociedade que exige do indivíduo o sucesso em questões profissionais e afetivas nessa fase. Ao contrário, como muitos jovens nessa idade, Frances ainda não faz ideia do que, para ela, é ser bem sucedida. O artista francês Eugène Delacroix escreveu em 'Diário' que para se chegar a segurança e maturidade do espírito é necessário passar pela sutil delicadeza da nossa sensibilidade juvenil.
As imagens postadas neste site foram retiradas da internet ou enviadas por colaboradores. Se é proprietário de alguma imagem e se sentiu ofendido, por favor, entre em contato conosco e ela será rapidamente tirada do ar.